Morar no Exterior

29 de março de 2016 at 15:00 Deixe um comentário

6 Impressões ao Voltar ao Brasil Após 18 Meses

Morar no Exterior – 6 Impressões ao Voltar ao Brasil Após 18 Meses

Após mais de um ano vivendo fora do Brasil, voltei à terra natal por 2 semanas para visitar familiares e amigos antes de ir viver em Malta. Surpreendentemente, eu não estava com saudade e nem com muita vontade de voltar ao país, o que é bastante estranho, já que das outras vezes que morei fora (Argentina, Portugal, Espanha) bastava seis meses para querer regressar.

Acredito que isto se deva ao tempo e à quantidade de experiências que já tive morando no exterior. Choques culturais e problemas de adaptação, tão comuns na vida de imigrantes, já não me atormentam, my life parece ter se desvencilhado completamente do Brasil.

Então já prevendo que não ia gostar de passar uma longa estadia, reservei estes 14 dias, o que acabou sendo pouco, pois tinha bastante coisa para resolver. Ao final, teve amigo que não vi, gente que eu só consegui ver uma vez , coisas que não deu tempo de serem resolvidas…

IMG_2480

Visitando minha avó na Quixabeira (foto de capa).

No entanto, apesar deste breve período, tive algumas impressões, as quais compartilho a seguir.

1 – Tudo Caro

Não sei se era porque estava acostumado com o custo de vida de Bogotá, mas assim que aterrissei em São Paulo já levei um susto ao encontrar uma coxinha valendo 9 reais. Lembro que em 2014, ano em que fui embora, a coxinha desta lanchonete custava R$ 6,50, o que já era caro.

IMG_2371

De Guarulhos peguei outro avião para chegar à Salvador, e pensando que encontraria preços melhores, meu olho arregalou quando vi que uma coxinha do aeroporto da capital baiana estava ainda mais cara: R$ 10,50.

No dia seguinte cheguei à cidade dos meus pais, interiorzão do sertão, e os preços estavam igualmente altos. Imagine: comida e alguns serviços de Capim Grosso mais caros do que em Bogotá.

2 Mobilidade Zero

Achei que com o metrô de Salvador finalmente funcionando alguma coisa havia evoluído em relação à mobilidade, porém tudo me pareceu igual. Sair do aeroporto Luis Eduardo Magalhães continua uma odisseia.

Já no interior, nem se fala. Minha carteira de motorista venceu em dezembro e um dos meus planos era renová-la, mas como em Capim Grosso não tem Detran, eu teria que ir em Jacobina (60 km de distância). Acontece que por motivos de força maior, meu irmão pegou o carro da família para viajar, e fiquei a pé.

IMG_2425

Jacobina e o rio que virou esgoto.

Pense numa dificuldade em fazer as coisas sem carro numa cidade em que não há transporte público. Foi tanta confusão por falta de um carro que desisti de renovar a carteira, além disso o valor não era barato e com esta minha vida de cigano me dei conta que não era uma necessidade. Com o dinheiro que eu teria que gastar, dá pra comprar um voo de ida e volta pra Grécia saindo de Malta, e ainda pagar uns quatro dias de hospedagem.

3 Política Mais Presente

Uma mudança que me pareceu positiva: bem ou mal as pessoas estão mais politizadas. Tive a impressão de que a situação política está sendo mais debatida desde os mais jovens aos mais velhos. Claro que tem muito achismos no meio, mas é inegável que há sim um engajamento maior por parte da população.

Em Salvador, por exemplo, ouvi dois rapazes, de no máximo 20 anos, tendo o seguinte diálogo:

J1: A gente devia ir no protesto (do dia 13)…

J2: O f*** que isso não muda nada.

J1: Não muda, mas o importante é manifestar que estamos insatisfeitos.

4 Tá Ruim pra Todo o Mundo

Aquela coisa do brasileiro alegre, que diferentes níveis sempre presenciei, pelo menos na Bahia, parece ter morrido. E foi só conversar para entender o motivo de tanto desânimo: tá ruim pra todo o mundo. A crise tá afetando às mais diferentes classes da sociedade, dos comerciantes aos estudantes.

Num encontro com uma amiga do ensino médio, a qual hoje faz fono na UFBA, fiquei sabendo que já tem pós-graduação que precisa ser paga, mesmo a universidade sendo pública. Somado a isso, o atraso de bolsa está quase no nível “salário de professor”.

Já conversando com uma amiga do tempo do mestrado, a qual é psicóloga, soube que a coisa também não está favorável para os terapeutas…. Sendo assim, agora imagine pra mim que fiz Letras. Aí pode enterrar de vez.

IMG_2495

Fono, letras e psicologia.

5 – As Dicotomias Estão Mais Fortes do que Nunca

Entre tantas coisas ruins, uma das que mais me incomodou foi a impressão de que todo o mundo virou inimigo. O país parece estar dividido entre PT e PSDB, norte e sul, grupos… Em São Paulo, a separação por tribos sempre me pareceu visível, porém na Bahia não era assim, afinal este sempre foi um Estado de muita mistura.

Até na cidade dos meus pais que é um ovo, é possível ver divisões impensadas há alguns anos. Ninguém mais sai na praça pra paquerar, pra conhecer gente nova, é cada um no seu quadrado.

6 Todo o Mundo Odeia o Brasil

Diante deste quadro não muito convidativo, dá para entender o porquê que quem tá dentro quer sair e quem tá fora não quer voltar. Eu nunca fui patriota, e nem espero que ninguém seja, porém é de assustar a que ponto chegou o nível de insatisfação. Faz uns dois anos que eu não vejo nenhum brasileiro que mora fora dizer que quer voltar ao Brasil.

IMG_2427

Paraíso, uma cidade deserta em pleno domingo de tarde.

E nessa minha visita, confirmei o que já havia percebido aqui no blog: muita gente quer imigrar, e até pra países que ao meu ver não são nada melhores que o Brasil, tipo a Argentina (não me joguem pedras). Apesar que pensando na impressão 1 deste post, é compreensível: viver na terra do café e leite estragado é ridiculamente caro.

É verdade que morar na Europa também não é barato, ainda mais em tempo de crise, porém não dá para comparar a qualidade de vida daqui com a do Brasil, principalmente no que diz respeito à segurança. E sinceramente, tem muito país aqui na Europa, incluindo Malta, em que o mercado é bem mais em conta.

Mas não quero ser um hater, espero que as coisas melhorem, acho que daqui a um tempo pode melhorar, não se tornará um paraíso, mas ao menos, assim como ouvi o jovem dizer, a insatisfação de nós brasileiros pode servir para mudar o que está péssimo.

Vi no Uzi por aí

Entry filed under: Lista, Outros Blogs, Política, Texto. Tags: , , , , , , , .

Rodrigo Santoro é Jesus Cristo em remake de Ben-Hur 9 Vilões do cinema em versão baby

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Dabun’s Page


Desde 28/07/2.009

Estatísticas

  • 336,169 acessos

RSS RSS


%d blogueiros gostam disto: