Escrevendo

8 de julho de 2016 at 15:00 Deixe um comentário

Como seria fácil sentar em frente ao monitor e começar a escrever. Ver as letras saltarem espontaneamente, uma a uma, formando palavras e frase, não somente frases, mas algo que tenha significado e melhor ainda que seja agradável, que empolgue os leitores, que os faça viajar, querer mais, se deliciarem.
Contudo nada é tão simples assim, a cada semana que passa milhões de ideias pairam sobre as cabeças dos escritores e como um milagre ao nos defrontarmos diante do teclado todas elas desaparecem como passe de mágica.
Uma ou outra história se perpetua e é com ela que vamos elaborar um conto, uma crônica, poesia ou sei lá o quê.
Mesmo com a ideia, muitas vezes a gente trava, não acha a palavra correta, procura um sinônimo, porém na maioria das vezes ele não se encaixa com a estrutura que estamos elaborando.
Tem dias que não adianta pedir pro anjo da guarda, pra musa inspiradora, nem vasculhar o subconsciente. São dias terríveis que nos vemos escrever e apagar incessantemente, não apenas palavras, mas frases inteira, parágrafos, quiçá um texto completo.
Invejo os jornalistas que conseguem se expressar diariamente. Acredito que seja a frequência com que escrevem, já não se intimidam com a pressão, com datas, horários. Não vou dizer que agem mecanicamente, entretanto já se acostumaram com aquela rotina.
Quem me acompanha no blog já sabe que sexta é dia de texto novo, porém quando escrevo segunda ou terça a coisa corre frouxa, meia hora, quarenta minutos tá lá uma história de folha inteira.
Já quando chega quinta-feira ou mesmo na sexta os dedos travam, o cérebro bloqueia, a vista diverge, as ideias fogem, não vou dizer que é medo, mas a pressão obstrui a criatividade, influenciando totalmente no trabalho a ser feito.
Sou suspeito em decorrer sobre isso, porém acredito que escrever é o que faço de melhor, tá… deu pra perceber que não sou muito bom no que faço…
O que quero dizer é que além de gostar de escrever, gosto do que escrevo, não vou ser hipócrita em afirmar que tudo que escrevo e escrevi foi muito bom, tem coisas que a gente faz por fazer, porém mesmo essas eu acredito que perto do que tem se escrito hoje em dia não é tão ruim.
Dia desses estava lendo uma publicação sobre personagens de história em quadrinhos e não me conformei com a quantidade de erros, tantos gráficos como de escrita. Não sou um exímio conhecedor da Língua Portuguesa, entretanto em época de corretores ortográficos “inteligentíssimos” não podemos aceitar falta de letras nas palavras.
Se fosse dar uma dica pra quem quer começar a se aventurar nas lides da literatura eu sugeria que antes de ser escritor você se tornasse leitor. O melhor de tudo é que não importa o que venha a ler o interessante é que em meio a essa gama de leitura você possa acrescentar os clássicos da língua portuguesa, afinal além de fortalecer o vocabulário e lhe dar uma aula de como escrever bem, vai ter a chance de se deliciar com histórias memoráveis.
Bem é isso, acho que consegui terminar o texto dessa semana. Enchi um pouco de linguiça, repeti algumas frases já escritas, porém no geral dá pra publicar.

                      Inibmort

Entry filed under: Inibmort, Texto. Tags: , , , , , , , .

Little Caprice Parabéns Portugal!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Dabun’s Page


Desde 28/07/2.009

Estatísticas

  • 336,327 acessos

RSS RSS


%d blogueiros gostam disto: