Posts tagged ‘Dabun’

Parabéns Leonardo!

Querido e amado filho Leonardo, conforme prometido escreverei uma matéria sobre você no Getulina Jornal.
Tarefa que se torna fácil, pois dissertar sobre você é como versar sobre o que de mais importante aconteceu em minha vida.
Não preciso sublinhar que você e seu irmão são os tesouros de nossas vidas.
Queria lembrar do dia que tu chegou ao mundo, num domingo como o de hoje, 24 de junho de 2.007, logo que acordamos sua mãe teve a certeza que estava chegando a hora. Passamos na casa do vô Armando aonde estava sua mala e partimos para Lins.
Se não me engano às 11:30 foi anotado a hora do seu primeiro choro, o primeiro sinal de que tudo ocorrera bem.
A enfermeira foi me chamar no quarto aonde eu aguardava e me apresentou-lhe, ainda todo lambuzado, porém dava pra ver que era forte e saudável.
Confesso que em nenhum instante eu relutei em te pegar e logo que foi possível eu o apanhei em meus braços, como nunca tinha feito com um recém nascido.
Senti-lo em meus braços foi uma das melhores sensações que já experimentei, observá-lo vívido e sereno trouxe a paz que necessitávamos depois dos meses de espera.
Os dias foram passando e se tornando meses e consequentemente anos… Observamos que crescia e amadurecia.
Lá se vão dez anos, dez anos que mudou completamente o meu modo de ver o mundo.
Hoje não existe mais eu, hoje entendo que sou responsável por duas almas que ajudei a colocar aqui na Terra.
Duas almas que me completam, que me dão forças pra seguir lutando.
Perdão se estou falando mais de mim do que de você, é que nenhum presente que eu lhe ofertar, nenhum elogio que eu te fizer, vai te fazer tão feliz, como eu fico de saber que tenho-os do meu lado.
Porém não é este o objetivo hoje, e sim falar de você.
Um garoto maravilhoso, que mais que a aparência física, também herdou meus dotes para a tecnologia.
Domina os eletrônicos com maestria, usa o joystick com perspicácia, encara a informática desde a mais tenra idade.
Na escola é um ótimo aluno, colecionando as melhores notas.
Não é muito apto aos esportes, mesmo assim se esforça para não desapontar o tio “Amigão”.
Se se dedicasse um pouco mais ao teclado seria um exímio músico.
O que relatar sobre o seu caráter; foi sempre um garoto muito educado e respeitoso, sabe se comportar muito bem. Tem um enorme coração, um amigo de verdade.
Entretanto eu gostaria de lhe fazer um pedido.
Quando resolvemos ter um segundo bebê, ficamos na dúvida se não estávamos muito velhos pra ter um filho.
O que nos fortaleceu na época foi a sua vontade de ter um irmão e também eu e sua mãe tínhamos a certeza que no dia em que nós não estivéssemos mais aqui, poderíamos confiar que você cuidaria dele.
Então o que eu venho lhe pedir é que possa amar e cuidar do seu irmão, como a gente cuida dos dois, assim estaremos sempre confortáveis aonde quer que estejamos.
E pra finalizar queria lhe parabenizar e pedir pra Deus que continue lhe iluminando e guiando os seus passos e a cada dia você permaneça esse nosso filhão, que nos enche de orgulho e alimenta essa chama em nossos corações!

                Inibmort

24 de junho de 2017 at 11:30 Deixe um comentário

Raios e Trovoadas

Resultado de imagem para raios e trovoadas

A vida é uma mescla de sentimentos. Um dia de sol acordamos ressentidos, já em um dia chuvoso podemos estar radiantes. Não depende das condições climáticas externas para controlar as nossas emoções.
Todo final de semana eu abro o Getulina Jornal esperançoso das notícias que os recheiam e mais uma vez eu tenho certeza de morar na melhor cidade do país.
As colunas estão sempre enaltecendo a cidade sorriso, mostrando o último campeão ou as melhorias que estão sendo realizadas no nosso município.
Tudo é tão magnífico que fico imaginando os munícipes afora que também leem o GJ loucos de vontade de ter suas moradias aqui.
Não que eu esteja sendo cem por cento irônico, não estou culpando os editores desse nosso querido semanário, afinal eles publicam as matérias que lhes são enviadas.
Acho que um dos maiores culpados é este que vos escreve, que tirando o porta voz oficial da prefeitura, sou o único colaborador residente na cidade.
Lógico que ninguém faz propaganda de um produto que não engrandece sua marca, por isso seria utopia ler nessas páginas notícias como:
– A situação asfáltica do nosso município continua um caos;
– Faltou água mais uma vez e os moradores estão transtornados…
Até porque são seis meses de mandato e todos estamos vendo os esforços que prefeito, vice, vereadores e colaboradores estão fazendo para conseguir recursos e projetos.
Não vim aqui hoje reclamar da administração do Toninho, muito pelo contrário, vejo que quando é possível ele faz.
O que dizer do carnaval, da festa do peão e outras realizações culturais, não podemos dizer que foram as melhores de todos os tempos, pois estaríamos desmerecendo àqueles que se emprenharam ao fazer as pretéritas, porém foram eventos realizados com muito esmero, visando o que de melhor os recursos e os responsáveis poderiam alcançar.
Vim aqui hoje explanar uma situação que me deixou muito triste.
No sábado passado, como de costume, no período da manhã participo da Evangelização Infantil do Centro Espírita que frequento e quando não estou atrasado gosto de passar pela praça 9 de Julho pra ver o movimento.
Porém este sábado ensolarado, acabou me deixando nublado.
Ao chegar à esquina do Santander me deparei com mais um daqueles “pedágios” em que o pessoal estende uma corda entre as calçadas pra poder conter os carros que por ali passam, contudo já em frente ao supermercado Caliani percebi do que se tratava.
Minha estimada diretora D. Toninha estava ali recolhendo trocados para pagar dívidas da instituição que ela preside.
Não quero entrar no mérito de que estamos vivendo uma crise, se em decorrência da Lei 13.019 o terceiro setor não pode receber mais verba pra pagar dívidas…
Precisamos urgentemente descobrir um meio de auxiliar essa entidade.
Como disse em outras matérias, não adianta vir aqui e sair atirando a esmo, mas sim procurar soluções.
Quem sabe um leilão, uma quermesse, o bingo de um carro. Recordo-me que na administração passada na época que a Santa Casa não recebia recursos foi organizado dentro da prefeitura um rateio entre os cargos comissionados e todo mês chegava um montante que ajudava.
Acho que ninguém deve ser obrigado a fazer o que não quer, entretanto temos o dever de primar pelo que é nosso, pois em um pensamento no mínimo egoísta: se hoje nossos filhos estão criados, amanhã pode ser um neto que necessite dos cuidados da creche.
Bem… por hoje é isso, não quero nem entrar na questão do Núcleo, Asilo, Santa Casa, pois raios e trovoadas podem surgir a qualquer momento.

           Inibmort

17 de junho de 2017 at 16:00 Deixe um comentário

78 anos

Diante aos dias difíceis que estamos encarando desde o momento do nosso nascimento, temos algumas zonas de conforto.
Alguns procuram no seio do lar seu refúgio ante os problemas, outros correm à procura da Natureza, muitos acreditam que sua paz está dentro de uma garrafa de bebida alcoólica.
Não estou aqui pra julgar, muito menos dar a receita de onde o amigo leitor pode encontrar o melhor lugar para ter alguns minutos de sossego.
Vou sim falar de mim, aonde toda a semana, pelo menos por uma hora e meia eu consigo desanuviar as tempestades que teimam em dar o ar da graça.
Estou falando do Centro Espírita.
Quem tem filhos pequenos em casa sabe que dificilmente encontraremos silêncio dentro desse local abençoado que habito.
 Porém toda Segunda-feira quando saio para abrir o C.E ‘‘Fé, Amor e Justiça’’, sei que aquele prédio já foi higienizado pelos irmãos da mais alta estirpe. Sabemos também que todos aqueles que se encontram naquele recinto procuram o mesmo que eu.
Desde o momento que acendo as luzes e coloco no pequeno rádio a música relaxante que vai tomando o nosso ser e nos levando ao encontro dos espíritos guardiões, recebemos os eflúvios salutares e as bênçãos divinas.
Aguardando silenciosamente a oração que dá início aos trabalhos já estamos preparados com o coração e ouvidos abertos para as explanações da noite.
Independente do tema abordado, muito menos do amigo que vos fala, sempre estamos recebendo presentes celestes, tanto pro adiantamento intelectual, como o moral.
A oração final, entremeada às vibrações, faz-nos doadores, após tanto termos recebido.
Já o passe vem reorganizar nossas energias para o enfrentamento da semana que está apenas começando.
Se existe um bônus dentro de uma Casa de Orações, com certeza a água fluída se encaixaria facilmente nesse status.
Isso que não citei da felicidade em encontrar amigos e de vez em quando recebermos alguma mensagem mediúnica.
Acredito que os responsáveis por tudo isso nos acompanha semanalmente da pátria maior, pois com certeza devem se orgulhar do trabalho que eles começaram no dia 13 de junho de 1939, há 78 anos.
Felicidade igual eles devem sentir de quarta-feira nas reuniões vespertinas e no Sábado com a evangelização infantil.
Por isso no dia de hoje, só podemos agradecer aos fundadores dessa Casa e a todos aqueles que vieram depois e a mantivera em atividade até os dias de hoje.
Obrigado!
.
Inibmort
.

10 de junho de 2017 at 15:00 Deixe um comentário

O FAROL # 108

Edição de Junho

Clique na foto abaixo para adquiri-lo:

O Farol 2

Para contemplar todas as edições, clique na figura abaixo:

Farol

2 de junho de 2017 at 10:51 Deixe um comentário

Fair-play

Imagem relacionada

Essa semana o caso “Rodrigo Caio” voltou a tona. Durante uma entrevista, o ex-goleiro “mito” Rogério Ceni, hoje técnico do São Paulo Futebol Clube, colocou em dúvida a escalação do zagueiro do seu time para a seleção brasileira.
Com o seguinte depoimento: “Talvez o Rodrigo e o Tite sejam pessoas melhores que eu. Dentro do calor do jogo, com objetivo sempre da vitória…” “…Se eu fosse treinador da Seleção, eu o levaria pelo futebol que joga, não pela atitude de tomar um cartão, porque senão daqui a pouco cada um que acusar cartão tem que ser convocado.” Deu-se a entender que Rodrigo estaria sendo escalado pelo belo gesto que realizou na semifinal do Campeonato Paulista e não pela bola que joga.
Gesto esse que lhe rendeu elogios não só de repórteres e jogadores brasileiros, mas de diversas personalidades mundo afora.
Pra quem ainda não sabe o que se passou. Foi no primeiro jogo da semifinal do Campeonato Paulista, quando numa bola disputada na área do time tricolor o atacante Jô do Corinthians fora punido com o cartão amarelo, cartão esse que o tirava do jogo de volta, pelo acúmulo de três cartões. Só que o zagueiro Rodrigo Caio assumiu que foi ele quem tocou no goleiro e no mesmo instante o árbitro retirou o cartão e parabenizou o jogador pela HONESTIDADE.
Pra piorar a situação, no jogo de volta o atacante Jô, que acabou jogando por não ter acumulado o terceiro cartão amarelo, fez o gol que acabou com as esperanças do tricolor de ir para as finais.
Num mundo de “Eu gosto de levar vantagem em tudo” o gesto de nobreza visto em rede nacional ainda provoca reações adversas.
Não foram poucos que se revoltaram com a atitude do jogador. E olha que não estou citando apenas atletas e torcedores do São Paulo, ouvi pessoas declamando que tem que ter malícia no esporte, que no amor e na guerra vale tudo, como se o futebol fosse um campo de batalha.
Esquecem-se que nossos filhos acompanham as partidas do esporte bretão desde tenra idade, apaixonados pelos escudos e cores de seus times muitos não perdem nenhuma partida, com certeza prestam mais atenção a cada lance do que as lições descritas no quadro negro.
Seria essa a educação que queremos dar as gerações vindouras? O exemplo entoado por Bezerra da Silva que “malandro é malandro e mané é mané”. Com certeza queremos um mundo livre de manés, entretanto sabemos que a vida do malandro tem dois desfechos: cemitério ou cadeia.
Estamos acompanhando uma das eras mais obscuras na política nacional. A todo momento um novo nome aparece ligado à extorsão de cifras milionárias, quiçá bilionárias.
De mega empresários a presidentes da república, todos chafurdados na lama pútrida da corrupção.
O que vamos deixar para os nossos filhos e netos? E eu como espírita crente na lei da reencarnação, espero voltar pra esse planeta. O que vai restar pra mim?
Não da pra esperar mais, chegou a hora de arregaçarmos as mangas e lutarmos para que possamos ter um futuro digno.
Indiferente de que clube você torce, qual o seu partido político ou a fé que professa, precisamos nos unir, acreditar que ainda dá tempo.
Tempo de transformar esses serezinhos que nos são confiados pelo Pai Maior em homens e mulheres de bem. E só tem um jeito de fazermos isso; Dando o exemplo!

           Inibmort

27 de maio de 2017 at 16:00 Deixe um comentário

Poker

Resultado de imagem para poker

Reconhecido em abril de 2010 como esporte da mente, o pôquer passou a ter o mesmo status que o xadrez.
Diferente do que as esposas, mães, tias e avós creem o Texas Hold’en não é um jogo de azar.
Hold’en é a modalidade do jogo em que cada jogador recebe duas cartas e outras cinco são abertas na mesa entre as apostas, vencendo aquele que se manter pagando as apostas e tiver a melhor combinação de cartas entre as sete.
A maioria das “mãos”, como é conhecida cada rodada do jogo, não termina com as cinco cartas abertas, porque os competidores acreditam que o apostador tem melhor jogo.
Costumo dizer aos principiantes que o jogo em si é facílimo de aprender, que basta decorar uma sequência de possibilidades que vai de uma carta maior ao tão sonhado royal straight flush, que consiste em ter um jogo com as cartas dez, valete, dama, reis e ás do mesmo naipe.
O que dificulta a jogabilidade são as apostas, que começam antes das cartas serem abertas na mesa, pois como já foi dito todo jogador começa com duas cartas em sua mão e cinco fechadas, viradas para baixo, na mesa e nesse momento faz-se as primeiras apostas.
O bom jogador sabe quando abandonar o jogo ao ver as duas primeiras cartas, ou aumentar a aposta. Consequentemente após apostarem ou abandonarem, se restou no mínimo duas pessoas, é aberta as três primeiras cartas, faz-se novamente as apostas, abre-se a quarta carta, aposta-se novamente, então mostra-se a quinta e assim os jogadores que se manterem à mesa podem conferir com exatidão qual tipo de combinação ele tem, então acontece a última oportunidade de apostar.
Outra dificuldade do poker é saber analisar o adversário. O filme “Cartas na Mesa”, tem como protagonista o ator Matt Damon, que personifica o estudante Mike, exímio leitor de adversários. Há uma cena que ele descreve as cartas de seus professores. Seria a magia de Hollywood ou existem mesmo pessoas capazes de analisar totalmente um ser humano em decorrência dos seus trejeitos?
Muitos nos perguntam se o jogo é legalizado. A respeito da legalidade dos jogos, eles podem ser classificados em três formas distintas: os jogos autorizados, os tolerados e os proibidos. Por autorizados, entende-se que são aqueles em que a chancela do poder público autoriza e/ou colabora para sua existência, é, por exemplo, a loteria federal. Jogos tolerados são aqueles que apesar da não proibição do estado, não recebem o seu amparo, ou seja, não há proibição assim como não há autorização expressa, nesta modalidade o ganho ou a perda do jogador não depende exclusivamente ou principalmente da sorte, mas, acima de tudo, da habilidade. Como jogos proibidos tem-se aqueles em que a norma penal tratou como delito, são jogos ilícitos, que em suma dependem exclusivamente ou principalmente da sorte.*
Como pudemos analisar o poker não é um jogo de sorte, muito menos de azar, depende da destreza dos seus competidores em saber a hora certa de agir.
Não tive ainda a oportunidade de conhecer às inúmeras casas de pôquer que pipocam por nossa região, os amigos que lá estiveram jogando torneios ou cash games, na maioria das vezes enaltecem o profissionalismo de seus administradores.
Tenho certeza que o poker chegou para ficar, não que seja um jogo novo, registros da Wikipédia, sem exatidão, demonstram que ele fora criado em 1934 por Jonathan H. Green.
Porém a modalidade jogada com mais frequência hoje em dia, principalmente na internet é o Texas Hold’en, acredita-se criado na primeira década do século vinte, cujo último WSOP (Word Series of Poker), premiou Qui Nguyen, jogador vietnamita naturalizado americano, com o bracelete (sonho de todo jogador profissional) e a bagatela de 8.005.310,00 dólares.
Então querido amigo leitor, quer levantar uma grana, apenas passar o tempo ou desenvolver seu intelecto, comece a praticar esse esporte que ainda vai dar muito o que falar.

            Inibmort

(*https://sandroalbuquerque.jusbrasil.com.br/artigos/112343990/a-legalidade-dos-jogos-de-poker-no-ordenamento-juridico-brasileiro-breves-consideracoes)

20 de maio de 2017 at 16:00 Deixe um comentário

Cupido

Resultado de imagem para cupido

Era pra ser mais uma manhã qualquer, acordar os filhos, preparar o café pro marido, verificar se as suas coisas estavam corretas, pentear os cabelos, passar um batonzinho e partir para mais um dia de jornada.
O que ela não esperava é que o Cupido resolvera aprontar.
Não era possível, os anjos só poderiam estar de brincadeira, quem poderia explicar o ocorrido, ainda mais naquela idade, com os hormônios em guerra por causa da menopausa.
Porém o suar frio, as palpitações, a boca seca, eram indícios de que o amor renascera.
Já fazia alguns dias que ela se apanhava divagando, esquecendo o que estava fazendo, meio que perdida em seus pensamentos.
A culpa já não fazia parte da sua vida. Tudo que passara naqueles vinte e cinco anos de casada a absolvia de qualquer peso na consciência.
Sempre foi uma ótima esposa fiel, dedicada. Não fora uma ou duas vezes que descobrira e acabara perdoando os deslizes do esposo. Mesmo sua ausência no cuidado dos filhos, suas pescarias, noitadas em bares ou a jogatina desvairada.
Portou-se a vida toda com uma classe exemplar, comportamento exigido à maioria das senhoras da sua estirpe.
Acompanhou a derrocada de algumas amigas, que viam seus casamentos ruírem e no final acabavam divorciadas, solitárias e muitas vezes necessitando mendigar uma pensão para o ex.
Graças a Deus ela sempre fora independente. Tinha suas economias, nunca foi de viver na barra do marido. Olhava pra trás e se orgulhava do que conseguiu com o esforço de seus braços.
Nunca fora insensível, amava seu marido, porém após tantos anos, eram mais amigos do que amantes. As noites quentes de outrora foram se transformando em momentos mornos, quiçá frios.
Há muito o sexo deixou de ser prioridade em seu relacionamento, tinha a total convicção que mais por sua culpa do que a do marido, ele até que tentou manter a chama acesa, porém ela não tinha mais o pique de antes.
O filho mais velho estava cursando o último ano da faculdade de engenharia e a mais nova começando o curso de psicologia. Logo seria só ela e o Zé, como tratava o homem que ela jurava que era o da sua vida.
Até aquela dia…
Tudo começou infantilmente, com algumas brincadeiras no expediente.
Os happy hour nas sextas-feiras foram aos pouco se tornando insuficientes e os encontros foram se multiplicando.
Claro que ela sempre levou aquilo como uma bonita amizade, até necessária, pois fora o ambiente informal de trabalho sua vida era traçada de casa para a firma e vice versa.
A coincidência de gostos, só lhes aproximava mais, acabavam lendo os mesmos livros para depois debaterem sobre a história o mesmo com os filmes, séries…
Tudo parecia normal, até que se encontraram ocasionalmente numa casa de massagem, sentaram-se lado a lado durante a sauna e começaram a reparam em seus corpos, notando que apesar da idade eles continuavam fortes e bonitos.
E naquela de um apertar os membros do outro para conferir como ainda se mostravam rijos e sentiu uma mão no seu seio e foi nesse momento que a flecha a atingiu em cheio.
Com a sauna vazia ela aproveitou a oportunidade para também tocar no seio da amiga e sentindo a cumplicidade, beijo-a ali mesmo.

Inibmort

13 de maio de 2017 at 14:45 Deixe um comentário

Posts antigos


Dabun’s Page


Desde 28/07/2.009

Estatísticas

  • 322,935 acessos