Posts tagged ‘whiplash’

Slash: Ele não tocou em “Black or White” de Michael Jackson

Por Thaís BortolozzoFonte: Brave Words & Bloody Knuckles

 Resultado de imagem para michael jackson slash

Nota de Jonathan Dekel, publicada no spinner.com, diz que SLASH manifestou seu desgosto pela linha de guitarra principal presente em um dos maiores hits de seu velho parceiro, MICHAEL JACKSON.

Em entrevista à CNN em 2010, tendo como tema principal a Semana Canadense de Música, o ex GUNS N’ ROSES teve a oportunidade de esclarecer o rumor de que havia tocado no hit de 1991, “Black or White”, de MICHAEL JACKSON.

“Eu nunca toquei (‘Black or White’)”, explicou o guitarrista. “Se você ouvi-la, aquilo é gay. Eu nunca tocaria aquilo”. Sem considerar o comentário sobre orientação sexual da sequencia de acordes, SLASH admitiu que sabe onde a confusão nasceu. “Eu toquei em ‘Give In To Me’ e no clipe de ‘Black And White’. Quando MACAULEY CULKIN aparece, sou eu tocando.”

Leia a reportagem na integra (em inglês) neste link.

Vi no Whiplash

16 de agosto de 2017 at 10:44 Deixe um comentário

Ozzy Osbourne: Lançando vinho com embalagem em forma de caixão

Por Carol ManzattiFonte: Bravewords

No dia 21 de agosto, Ozzy Osbourne estará se apresentando durante o eclipse solar total no Moonstock em Carterville, Illinois. A apresentação começará com o clássico “Bark At The Moon”. Em homenagem a ocasião, Ozzy lançará o Solar Red, vinho tinto em embalagens personalizadas.

A garrafa comum terá valor de US$50 e a edição de colecionador US$500. A bebida é um vinho tinto seco de corpo médio, feito a partir de uma mistura de uvas Zinfandel e Syrah de alta qualidade. O Solar Red contém notas frutadas de geléia de figo, ameixa, cereja e cranberry combinadas com alguns tons terrosos e notas de carvalho. Ele termina com um sabor ligeiramente picante de pimenta preta. A edição de colecionador do Solar Red é numerada e autografada pelo próprio Príncipe das Trevas. Foram produzidas apenas 500 unidades da edição de colecionador, com a garrafa de vinho embutida dentro de um caixão artesanal de madeira de álamo e travesseiros de cetim preto. Inclui um Certificado de Autenticidade com uma foto de Ozzy Osbourne assinando os rótulos.

O produto está disponível nesse link:
https://www.moonstock2017.com/shop

Vi no Whiplash

26 de julho de 2017 at 10:00 Deixe um comentário

Biquini From Hell: para ficar com marca de sol satânica

Também na versão “Maiô From Hell” para satanistas mais recatadas…

Vi no Whiplash

19 de julho de 2017 at 10:00 Deixe um comentário

Há três anos…

Ramones: Morre o baterista e produtor Tommy Ramone

Por Vitor FranceschiniFonte: Dangerous Minds

Tommy Ramone, também conhecido como Thomas Erdelyi, o último membro sobrevivente original do Ramones morreu no dia 11 de julho de 2014 em sua casa em Ridgewood, no Queens, Nova Yorke. Ele tinha 62 anos (várias fontes diziam 65) e estava em cuidados paliativos após o tratamento para o câncer do ducto biliar (colangiocarcinoma). Claudia Tienan, sua parceira há 40 anos, pediu a Andy Schwartz, ex-editor do NY Rocker (entre muitos outros) para fazer o anúncio de sua morte.

Tommy e o guitarrista John Cummings (Johnny Ramone) se reuniram em uma banda de garagem no colégio chamada the Tangerine Puppets. Quando os Ramones se formou, ele seria o manager da banda, mas acabou se tornando baterista entre 1974-1978 e produziu vários álbuns da banda. Tommy sempre foi considerado o mais ‘normal’ dos Ramones.

Após deixar os Ramones, Tommy produziu álbuns dos Replacements e Redd Kross’s. Nos últimos anos ele fazia dupla com sua parceira Claudia Tienan tocando bluegrass/folk com o Uncle Monk. Tommy gravou com os Ramones “Ramones” (1976) “Leave Home” (1977) e “Rocket to Russia” (1977).

Vi no Whiplash

12 de julho de 2017 at 10:00 Deixe um comentário

Beatles: Paul McCartney fecha acordo sobre direitos autorais

Por Mário PescadaFonte: Exame

Sir Paul McCartney fechou acordo judicial com a empresa Sony ATV Music Publishing sobre os direitos autorais do catálogo dos BEATLES.

Em janeiro desse ano ele havia entrado na justiça norte-americana tentando recuperar os direitos sobre as composições que fez sozinho e em parceira com John Lennon que foram compradas por MICHAEL JACKSON em 1985 e que posteriormente foram adquiridas pelas Sony ATV.

O acordo foi selado em Nova York e segundo seu advogado “ambas as partes haviam resolvido este assunto com um acordo confidencial” – ou seja, alguns milhões de dólares trocaram de mãos para selar a paz e evitar uma longa disputa.

A alegação da defesa de PAUL McCARTNEY foi embasada na Lei de Direitos Autorais de 1976 dos EUA. Resumidamente, essa lei diz que os autores podem reivindicar os direitos de suas canções 35 anos depois de lançá-las após 1978 e se for antes desse ano, deve-se esperar 56 anos.

Na época do ajuizamento da ação, PAUL McCARTNEY avisou que lutaria pelo controle do catálogo dos BEATLES, tendo em conta que em 2018 “Love Me Do” completará 56 anos de lançamento.

Vi no Whiplash

5 de julho de 2017 at 10:00 Deixe um comentário

Ozzy Osbourne: os 10 discos de metal que ele mais gosta

Por Igor MirandaFonte: Rolling Stone

O vocalista Ozzy Osbourne escolheu os 10 discos de metal que ele mais gosta. A seleção foi feita durante entrevista para a Rolling Stone. A lista está em ordem alfabética.

AC/DC – “Highway To Hell” (1979)

Ozzy Osbourne: “Amo Brian Johnson, mas para mim, meu grande amigo, Bon Scott, foi o melhor cantor que o AC/DC já teve.”

Alice In Chains – “Facelift” (1990)

Ozzy Osbourne: “Um disco de estreia incrível. ‘Man In The Box’ é um clássico. Layne Staley era amável. É uma pena que ele não tenha conseguido controlar seus demônios.”

Guns N’ Roses – “Appetite For Destruction” (1987)

Ozzy Osbourne: “Um dos grandes discos de estreia da história. Não tem uma música fraca na lista.”

Judas Priest – “British Steel” (1980)

Ozzy Osbourne: “Os caras do Judas Priest não são apenas meus amigos de Birmingham, mas também uma das grandes bandas da história. Esse disco tem ‘Living After Midnight’, ‘Breaking the Law’ e ‘Metal Gods’. É um dos clássicos que vão permanecer pelo teste do tempo.”

Led Zeppelin – “IV” (1971)

Ozzy Osbourne: “Sempre fui um grande fã de Led Zeppelin. Todos os discos de estúdio são clássicos, mas esse é um dos meus favoritos entre todos.”

Megadeth – “Rust In Peace” (1990)

Ozzy Osbourne: “Nunca percebi o quão boa era essa banda até ouvir esse disco.”

Metallica – “Master Of Puppets” (1986)

Ozzy Osbourne: “Levei o Metallica para uma turnê comigo após o lançamento desse disco. É um marco para a banda e para o heavy metal.”

Motörhead – “Ace Of Spades” (1980)

Ozzy Osbourne: “Esse disco colocou o Motörhead no topo. A faixa-título é a ‘Paranoid’ do Motörhead. É um dos grandes hinos do metal e, para mim, uma banda não conseguiu o que deveria até fazer o seu hino próprio. Essa é o hino deles.”

Pantera – “Cowboys From Hell” (1990)

Ozzy Osbourne: “São os mais festeiros com quem excursionei. A guitarrade Dimebag brilha nesse disco. Deve estar na coleção de todo fã de metal.”

Rob Zombie – “Hellbilly Deluxe” (1999)

Ozzy Osbourne: “Rob Zombie também é alguém com quem excursionei. Ele é um artista de verdade em todo sentido e ‘Hellbilly Deluxe’ é o melhor dele, na minha opinião.”

Vi no Whiplash

28 de junho de 2017 at 10:00 Deixe um comentário

Lars Ulrich: “Eu era o maior fã do Iron Maiden”

Por Igor SoaresFonte: Blog Flight 666

 

Em entrevista de novembro de 2011 para a Rhythm Magazine, o baterista do Metallica, Lars Ulrich, entre outras coisas declara todo o seu respeito e admiração ao baterista do Iron Maiden, Nicko McBrain. Confira alguns trechos.

Lars: “Nós sempre estivemos rodeados de britânicos. Nesses anos todos os managers das nossas turnês, nossos guias, os caras da nossa equipe, todos eram ingleses e por isso havia sempre um senso muito forte de cinismo e sarcasmo inglês e um pouco de humor áspero. Nós todos somos incríveis fãs do Iron Maiden, obviamente, e eu não acho que o Metallica estaria onde o Metallica está hoje se não fosse o Iron Maiden, não só abrindo o caminho, mas também por me inspirarem em 1981 a formar uma banda. Estávamos sentados ali gravando coisas para o ‘Garage Days’ em Los Angeles e foram sessões muito tranquilas, um dia começamos a fazer ‘Run To The Hills’, que é uma daquelas coisas que qualquer um poderia tentar a qualquer momento. Às vezes, aquelas harmonias podem ser um pouco complicadas para os caras da guitarra e acho que eles estavam um pouco chapados. Algumas pessoas pensaram que nós estávamos tomando o lugar de alguém, mas obviamente aquilo foi concebido como um tributo à nossa maneira…

Cerca de um ano depois, eu acho, quando nós terminamos o álbum ‘And Justice for All’ (1988), eu estava em Nova York na masterização do disco e o Iron Maiden estava tocando no Meadowlands, em Nova Jersey, provavelmente era julho de 1988. Então saí e fui para o show… Eles estavam fazendo a turnê do ‘Seventh Son Of A Seventh Son’, e eu estava ali em pé atrás do Nicko, olhando para ele. Acho que ‘Run To The Hills’ foi a primeira música do bis e ele me entregou as baquetas e apontou pra bateria. Eu estava tipo, ‘Né?’, então eu rastejei até as escadas e eu lembro de ouvir Bruce Dickinson me apresentar ao público, então eu comecei a tocar a ‘Run To The Hills’ na frente de 20.000 pessoas. Talvez eu tenha chegado quase tão longe como eu fiz na versão do Metallica que foi lançada. A coisa toda foi um desastre completo e eu acho que nem chegamos ao primeiro verso. Uma dica, nunca toque bateria em público quando estiver bêbado! Nós demos o melhor de nós, mas eu creio que não chegamos nem ao primeiro refrão.”

Veja no link a seguir o áudio da participação de Lars no show do Iron Maiden:
Metallica: ouça Lars Ulrich tocando com o Iron Maiden

Confira a entrevista completa no Blog Flight 666
http://ironmaidenflight666.blogspot.com/2011/11/lars-ulrich-…

Vi no whiplash

14 de junho de 2017 at 10:00 Deixe um comentário

Posts antigos


Dabun’s Page


Desde 28/07/2.009

Estatísticas

  • 326,804 acessos